Uma história de parto feliz: o nascimento da Elis! :)

Após ler meu relato, leia também o relato da Mari, a parteira: 
Este relato também foi publicado no site Vila Mamífera, no link: http://vilamamifera.com/parteriaurbana/parir-se-ao-parir/
Observação inicial, relendo 1 ano depois:
Apenas esqueci de colocar no relato um detalhe, que não é pequeno, tem 12 cm de cicatriz vertical na altura do meu estômago. Eu sou operada do estômago, Redução de Estômago, pelo método Bypass, em maio de 2009. E por isso também fui procurar o Gama, pois haviam me falado, assim que fiquei gravida, que operados não podiam fazer parto normal (????) porque poderia entrar em coma (?????). 

Outra coisa, dizer que escrevi esse relato apenas 12 dias depois de parir, e hoje, 1 ano depois, tento entender “psiquicamente” o que me fez parir desta forma. Apenas quero dizer que a nossa mente é uma caixinha de surpresas, e esse parto foi uma grande (E MARAVILHOSA) surpresa interna :)

 
Pra ser muito sincera, não sei nem por onde começar. Porque hoje, 12 dias depois de tudo ter acontecido, ainda sinto pulsar dentro de mim tudo o que aconteceu como se fosse hoje. Foi muito forte. Muito intenso. Muito especial. Muito lindo. Nem comecei a escrever e já to chorando aqui.
 
Quero apenas, antes de começar o relato em si, deixar claro que o que aconteceu no dia 13 de junho, pra mim, não caberia em apenas um relato de parto. Porque naquele dia eu não pari apenas a minha pequena. Eu ME pari. Pari a Carol que nem eu mesma conhecia. Nem eu tinha ideia da força que tinha dentro de mim. Apenas confiei. Mas não imaginava que seria tão intenso e forte como foi. E que eu teria a auto-confiança que tive.
 
De verdade, eu precisava escrever um livro pra contar exatamente tudo o que tenho vontade sobre meu parto. Porque, para eu chegar ali, naquele momento, passei por coisas importantes na minha vida, que precisavam ser contadas, para que, quem lesse o relato, entendesse exatamente o que ele significou para mim. Acredito que na vida nada é “uma coisa separada”. Tudo o que a gente faz tem relação com os acontecimentos seguintes, e anteriores. Por isso acho uma tarefa bem difícil fazer meu relato de parto em “poucas” palavras (que não serão poucas, mas como disse, por mim escreveria um livro rs), mas quero muito que essa historia seja contada, pelo menos para que tenham uma ideia. Porque foi mesmo muito especial e quero que outras mulheres saibam da força que todas temos, e muitas vezes nem sempre percebemos. E quem sabe, com o tempo, vou tecendo ainda mais essa historia? :)

CONTEXTUALIZANDO…
 
Eu nunca fui daquelas pessoas que você olha e fala: nossa essa aqui vai ser médica. Ou, nossa, que grande jornalista ela vai se tornar! Desde pequena. Eu nunca tive uma “vocação” profissional muito clara. Na verdade acho que ninguém tem né, ninguém nasce sabendo nada. rs. São coisas que a gente constrói mesmo. Sempre gostei de varias coisas, me dei bem com vários tipos de pessoas, mas nunca disse: “eu vou ter tal profissão”. Mas, uma coisa eu tinha certeza, desde menina: eu queria ser mãe. Era a unica certeza que eu tinha na vida, desde sempre.
 
5716992323_859a80b8d2
7 meses e meio, em Itanhaém, SP. E o corte da cirurgia ali, sempre me acompanhando…
(pausa para um parenteses: neste momento Elis está do meu lado quietinha, com os olhinhos abertos, eu sei que ela não enxerga muito mas parece que tá com os olhos atentos rsrs, coisa mais linda rsrs – olha que mãe babona rsrs)

Por sempre querer ser mãe, sempre conversei com minha mãe sobre parto. Ela sempre me conta de como foi o parto dela. O meu e o de minha irmã foram partos normais. Minha mãe ficou cerca de 12 h em trabalho de parto nos dois casos. Com nossas conversas, eu sempre tive pra mim o parto normal como “normal”. rs. Não seria obvio?? ….
 
Bem, eis que uma amiga que de inicio era apenas uma professora da pós, grávida dois meses na minha frente, a Michelle Prazeres, rs – que acabou se tornando uma grande compa e confidente – me indicou um grupo de gestantes, um tal de Gama (clique aqui para ver o site)… eu ja ouvia falar desse grupo por uma outra amiga, que nunca participou do grupo em si mas teve o parto em casa, da filha dela de 5 anos, em Minas.
 
No inicio da gestação não consegui ir ao grupo, estava de mudança para o ABC. Somos de Santos, Baixada Santista, e meu companheiro acabara de conseguir um emprego melhor no ABC. Até nos ajeitarmos demorou um pouco, foi um pouco conturbado (imagino que como todo inicio de gestação, principalmente do primeiro filho), mas logo que as coisas se acalmaram fui conhecer o grupo. Já havia lido algumas coisas e fiquei bem animada, pensava mais em encontrar mulheres que como eu estavam passando por momentos difíceis, a cabeça fica mesmo meio confusa, e eu, longe dos amigos, queria encontrar gente que pudesse trocar experiências e me sentir mais segura.
 
Outro adendo: A quantidade de asneira que mulher grávida ouve é impressionante, e eu fui meio ingenua, sei lá, no inicio me assustei com várias coisas que ouvia. E o pior é que acreditava. As pessoas acham que barriga de grávida é domínio público e saem falando muita merda. Desculpem a palavra mas é isso mesmo. rs… nunca mais vou me esquecer do que minha amiga Jamila Maia que conheci no Gama me disse: “a primeira coisa a comprar quando a gente se descobre grávida é um par de tampões de ouvidos.” rs… com o tempo aprendi. Aprendi no Gama, mesmo. rs
 
Pois bem, quando cheguei no Gama, com meu companheiro Jeff, me deparei muito mais do que com um simples grupo de gestantes. Me deparei com mulheres fortes. Guerreiras. Sábias. Já no primeiro momento, me senti mais confiante. 

Mas, o que eu não sabia, é do panorama de cesáreas no Brasil. Não sabia que era tão estrondoso o numero de mulheres que sofrem cesáreas desnecessárias. Para mim que tinha o parto normal como “normal”, foi realmente um choque. Ali descobri que não bastava eu querer que fosse parto normal e pronto. Eu precisava lutar por isso. E lutar muito. Pois no Brasil, a cesárea é a regra e o parto normal, exceção. Pensava comigo: tá tudo de ponta cabeça mesmo! Fiquei mesmo assustada.
 
Foi então que passei a procurar um grupo como o Gama no ABC. Procurei na internet e achei um blog muito legal, o maternamente.com.br, e através dele conheci a Déborah Delage, que coordena os encontros no ABC, e passamos a nos conhecer melhor. Ela passou a me apoiar e me ajudar nas minhas escolhas. Foi essencial te-la ao meu lado, desde o inicio. E com ela conversei muito sobre o que falamos no Gama, sobre a taxa de cesáreas no Brasil, sobre o direito de as mulheres terem seus partos de forma humanizada, sobre a falta de informação.
 
O sentimento que dá de inicio e que sinto até hoje é raiva. Muita raiva. Raiva de as mulheres não terem o direito de escolha. Conversei com várias mulheres. Descobri que a grande maioria delas tinha feito cesárea desnecessária (a famosa DESNECESÁREA), e muitas delas não queriam que fosse, mas talvez tenha faltado informação, esse tipo de informação que a gente teve acesso no grupo. Ainda é algo que penso até hoje. Descobri que é algo cultural. Quando eu falava para muitas delas que queria parto normal, era chamada de corajosa. E comecei a me espantar de verdade.
5769584067_47c4fe9cf5_b
8 meses, em São Caetano do Sul, SP.
Até que tive a maior prova do que realmente acontece. Comentei com meu médico da UBS que eu e Jeff havíamos nos decidido por ter nosso bebê na Casa de Parto de Sapopemba (CPS) e recebi uma resposta assim: – Mas você não precisa disso! No hospital você terá muito mais recursos. E tem uma UTI do lado caso aconteça alguma coisa.

Fiquei com tanta raiva. Mas tanta. Pensei: eu não preciso do que? de um médico como esse, certo?? Um cara que nem quis conversar sobre o assunto. Já veio falando que não era bom. E onde está o meu direito de escolha?? Fico pensando nas mulheres que não sabem que têm que lutar por isso e se deixam levar pelo que o médico fala. 

Na minha situação eu fiquei tranquila, pois sabia o que estava fazendo porque tive acesso às informações. Mas nem todas as mulheres têm. Elas acabam achando que precisam falar AMÉM para o que o médico falou. E acabam se tornando vítimas de uma cesárea, mesmo não querendo e não precisando. Essa é uma discussão que vai longe e por mim ficaria aqui escrevendo tudo o que penso sobre isso, mas como aqui o objetivo é contar como Elis nasceu, então vou parar por aqui. rs. Mas só fico pensando o que eu teria perdido se tivesse feito uma cesárea a 12 dias atrás. Porque o que eu vivi deveria ser um direito de todas as mulheres.
 
Com a CPS escolhida, com 37 semanas passamos a ir às consultas semanais. Estava tudo bem com meus exames e tudo indicava que seria um parto humanizado, como nós havíamos sonhado desde o inicio. Foi então que a Déborah me deu uma ideia muito legal. De, no dia do meu parto, ser acompanhada por uma parteira, a Mariane Menezes, ao meu lado, acompanhando o processo, e ir junto comigo para a CP. A ideia era  acompanhar, para me deixar mais tranquila durante o processo. E isso me tranquilizou ainda mais. Estava tudo pronto para o grande dia.
 
Eu ainda não conhecia a Mari, e perguntei para a Débora se ela tinha e-mail ou perfil no Facebook, ela me passou o nome e eu adicionei. No dia 12 a noite, mandei um recado para ela, dizendo que queria me encontrar com ela, para nos conhecermos melhor e tal, rs… iríamos nos encontrar naquela semana em algum lugar.
 
No dia seguinte, dia 13 (39 semanas), acordei e passei a mão na barriga, ainda na cama. Conversei com Elis e disse que estávamos loucos para conhece-la. Que estava tudo pronto e que ela podia vir na hora em que ela quisesse.
 
Ah, me lembrei agora, nesta mesma semana eu mandei e-mail para várias pessoas que estavam longe mas que eram muito especiais pra mim. Pedi para me mandarem energias positivas, para que ela viesse antes das 41 semanas, pois o meu maior medo era que passasse das 41 semanas e eu tivesse que me virar de outro jeito, afinal na Casa de Parto eles já deixaram avisado que a partir desta data eu não poderia ter meu bebê lá. E o medo de acabar tendo que fazer uma cesárea no hospital?? 

Me bateu um certo medo, me lembro que até comentei na lista do Gama, e algumas meninas me tranquilizaram (by the way, essa lista me ajudou DEMAIS durante toda a gestação e agora a uso para minhas duvidas de mamãe de primeira viagem rs). As palavras dos amigos, mesmo que pela internet, me ajudaram muito a sentir a atmosfera boa que eu sentia. Uma energia muito gostosa, de saber que muita gente que eu amo muito estava pensando em nós, sem pressões, sem desesperos. Apenas mandando coisas boas. Eu senti de verdade.
 
Me levantei para ir ao banheiro e senti que a cabeça dela (da bebê) estava mais baixa. Sentia ela no meu púbis. Achei engraçado porque eu acabara de conversar com ela, e a senti cada vez mais perto de mim. Mas não imaginava que estava tão perto assim. rs
 

TRABALHO DE PARTO E PARTO

Durante a gestação eu li muuuuuitos relatos de parto e todos eles mostravam 10, 15, 20h de trabalho de parto. Como disse, minha mãe ficou 12h. Então para mim estava meio que certo que pelo menos umas 10h eu ficaria em TP. Nas semanas anteriores, eu e Jeff lemos os relatos juntos, vimos videos de partos, lemos um livro que mostrava as posições legais para o pai ficar junto da mãe no momento (abraçando, fazendo massagem, etc). Ele sempre me dando muito apoio, participando comigo dos grupos, das discussões, super envolvido mesmo. Isso fez toda diferença sem sombra de dúvidas. Estávamos juntos nessa, para o que aparecesse.
Queríamos que a nossa filha viesse da forma mais humanizada possível, e com a participação dele. Me lembro que fomos a uma reunião do Gama onde foram dois casais que tiveram bebê em casa, e o mais legal foi ver o relato dos pais (homens). Fora que ver o vídeo do parto em casa emociona demais, e isso vimos bastante lá no Gama e em casa. Eu sabia que ia doer, mas estava tão fascinada pela forma tão natural de uma criança chegar ao mundo, que não pensava na dor. É uma dor necessária para que um nascimento aconteça, e não uma dor de sofrimento. Aliás foi só nessa fase da minha vida que consegui separar dor de sofrimento. Eu já mentalizava a gravidez inteira que nem sempre a dor significa sofrimento. Quer coisa mais linda do que uma dor que trará uma criança ao mundo??? e de fato foi o que aconteceu :)
 
Senti essas dores no púbis, era mais ou menos 8:30h e avisei a Déborah. Não era uma dor imensa, era apenas uma pressão mesmo. Como se ela tivesse “encaixado” ainda mais. Mas, até o momento era apenas isso e eu não tinha com o que me preocupar.
 
Tomou conta de mim um sentimento gostoso. Tipo uma felicidade inexplicável. Me lembro disso. Tanto que eu estava na frente do computador, levantei e coloquei uma música no som da sala, e comecei a cantarolar. Estava feliz. Acho que pressenti que ela estava mesmo chegando. Pensei: será hoje que conhecerei esse serzinho que está aqui dentro ha tanto tempo? Senti ela muito perto de mim. Um sentimento que tomou conta de mim. Meio inexplicável. Aliás tudo o que to escrevendo aqui pra mim é muito difícil de explicar e de verdade não sei se to conseguindo passar direito o que quero. rs, porque tá tudo muito latente e intenso ainda dentro de mim.

Cerca de uma hora depois voltei ao banheiro e notei um borrão. Tipo borra de café. E fui avisando a Déborah. Liguei também na Casa de Parto, e não havia mesmo motivo para grande alerta, apenas continuar observando. Não sentia nenhuma dor. Dali um tempo olhei novamente e notei que havia outra mancha. Era sangue mas não sangue vivo, era tipo um sangue gelatinoso, meio marrom também. 

Foi engraçado, levei um susto tremendo, como se fosse a primeira menstruação. rs. Me lembrei da minha primeira menstruação neste momento, levei o mesmo susto na época. Eu tinha 10 anos e sabia o que aquilo significava, pois minha mãe sempre falou disso comigo. A partir daquele momento, meu corpo estava se preparando para que eu fosse mãe. Que louco me lembrar disso neste momento, pensei. rs
 
Avisei a Dé e ela me disse que poderia ser o tampão que havia começado a sair. Mas sempre muito tranquila e me tranquilizando. Eu havia lido nos relatos que quando o tampão sai, é sinal de que está realmente perto. E aí me bateu uma felicidade ainda maior :)
 
Comecei a sentir uma pequena cólica, tipo cólica menstrual. Ha quanto tempo eu não sentia isso. rs. Já era em torno de umas 12:00. Pensei comigo: vou comer direito porque não sei o que me espera. As dores não estavam grandes e por isso desci e fui no restaurante comprar uma marmita reforçada rs… foi a melhor coisa que eu fiz, pois ia mesmo precisar de muita energia naquela tarde. Quando voltei, liguei para o Jeff, que estava trabalhando e disse a ele que a Elis estava querendo chegar. 

Ele sempre me passando tranquilidade, e realmente tranquilo, disse que tentaria terminar logo e chegar mais cedo. A Dé havia me dado a dica de avisar ele para trazer comidas que eu gosto, e para ele vir antes para ficar comigo. As dores começavam a aumentar, agora cada vez mais. Já não era apenas uma dor de cólica menstrual. Era essa dor bem aumentada. E vinha mesmo em ondas, eram mesmo as contrações (!!!!).
5801579047_891a13e2c4_b
9 meses, em São Bernardo do Campo – SP.

Entrei no famoso site contractionmaster.com, que li nos relatos das meninas, rs, e fui marcando quando vinham as contrações. Elas duravam cerca de 20 segundos e apareciam de 4 em 4 minutos… 4 em 4???? ups!!!!! Me lembrei que na CP haviam me dito para ir para lá quando elas estivessem de 5 em 5 minutos durante 2 horas!! Só que eu havia começado a sentir fazia menos de uma hora, então achei que ainda demoraria e que daria tempo de ir para a CP.

Haviam me dito também que as contrações duravam cerca de 40 segundos, e isso também me fez pensar que ainda faltava muito. Eu precisava avisar meu pai caso estivesse na hora, pois ele me levaria, estava tudo certo, estudamos o caminho, ele me levou nas consultas. Só que a minha preocupação era avisar ele cedo demais, e ele ficar muito ansioso, e eu sabia que a ansiedade dele (completamente normal, lógico!!) talvez me deixasse também ansiosa, então queria avisa-lo na hora certa. Mas como saber a hora certa?? rs

A esta altura, acho que a Dé já estava pressentindo que a coisa estava mais rápida do que o normal… eu, barriguda de primeira viagem, nunca ia imaginar que estava muito mais perto do que eu imaginava. Mas o ponto chave foi a tranquilidade que ela me passou em todos os momentos, e sabia que tinha pessoas ao meu lado, e isso fez toda a diferença. Ela me ligou e disse que a Mari estava a caminho, que ia chegar antes dela, para ficar comigo.

 
O Jeff chegou e eu já começara a gemer de dor… era cerca de 15:00. As contrações agora vinham de 3 em 3 minutos e duravam cerca de 30 segundos. Eu deitei na nossa cama, pensei em um lugar que me sentisse a vontade, ou uma posição mais confortável. Queria ficar de cócoras, agachada, mas estava com o joelho todo ferrado pois uma semana antes havia me machucado… então fiquei na cama mesmo. Ele veio ficar ao meu lado e fazia massagem nas minhas costas, na lombar, que é onde dói muito. Em um outro momento me senti melhor em pé, encostada nele. Na hora em que vinham as contrações, eu o abraçava.
 
Então resolvi ir para o chuveiro. Pensei: me sentirei melhor. Água me faz bem. Entrei no box e primeiro coloquei um banquinho pra ver se me sentia melhor sentada ali. Aí vi que o que eu queria mesmo era sentar no chão. O Jeff ficou preocupado de estar muito sujo, mas na hora nem pensei em nada, só pensei que queria ficar no chão. Pois ali sentei, e fiquei deixando a água quente bater no rosto e na barriga. 

As contrações vinham, cada vez mais fortes e eu deixava meu corpo falar. Tinha vontade de gritar e gritava, de gemer e gemia, deixei meu corpo dizer o que ele queria e fui fazendo o que dava vontade. O Jeff vinha e voltava, entrava no banheiro para saber se tava tudo bem, e depois de meia hora eu saí. Foi quando o interfone tocou, era a Mari. 16h. Enquanto ela subia eu coloquei uma camiseta e voltei pra cama. 

A essas horas minhas dores estavam já bem fortes. Mari chegou, eu nunca tinha visto ela na vida, mas mesmo assim fiquei tranquila por ela estar ali. Já na primeira contração ela pegou na minha mão bem forte. Isso fez muita diferença, mesmo sendo um gesto tão simples. E quando paravam as contrações, ela ouvia os batimentos do bebê com um aparelho que não me lembro o nome. rs (é, na hora não me interessou o nome, mas hoje me pergunto rsrs), eu me lembro que perguntei se estava tudo bem e ela me disse que sim.
 
(Os horarios Jeff está me ajudando a dizer, porque na hora claro que nem passava pela minha cabeça saber hahahahah).
 
Mari mediu a dilatação: 5 cm já! Estava tudo acontecendo muito rápido. Muito mais rápido do que normalmente é. Conforme as dores vinham, eu focava no pensamento de que eu tinha que passar por aquelas ondas para chegar até a minha filha. Eram ondas que doíam muito, mas que ao final me trariam um presente. Então aguentava firme.
 
Depois de um certo tempo, senti vontade de fazer o “número 2”. De tantos relatos que li, sabia também que ao chegar nesse ponto o grau de dilatação está avançado. Olhamos o horário e já eram quase 17h, hora de rush, meu maior medo. Meu medo por ter escolhido a Casa de Parto era justamente que fosse na hora do rush, pois sem trânsito levávamos cerca de 40 minutos, mas com trânsito, podia chegar até 2h. Aí sim me bateu um desespero. 

Não sei se posso considerar este um momento “partolândia” rs, mas me lembro que conforme as contrações mais fortes vinham eu gritava: EU NÃO QUERO IR PRO HOSPITAL! EU NÃO QUERO IR PRO HOSPITAL! Pois eu sabia o que ia acontecer se eu fosse, pois pesquisei, conversei com pessoas do hospital que eu iria se precisasse, o mais próximo, durante a gravidez, e fiquei ciente dos procedimentos deles. Nada humanizados. (deixando claro aqui que existem alguns, poucos, bem poucos, médicos e hospitais humanizados, mas existem… mas isso precisa ser MUITO pesquisado e até é bom pedir ajuda a quem entende pra ver se é mesmo!!)
 
Me bateu um desespero de verdade nesta hora. Foi quando perguntei para a Mari se ela faria meu parto aqui mesmo, em casa (até que eu tava bem ciente das coisas mesmo em TP avançado kkkkkkkkkkkkkk), e ela me disse que sim. Eu pensei: Se eu saísse de casa naquele momento, teria meu bebê em qualquer lugar, no carro, na ambulância, onde fosse, menos em um lugar seguro, porque eu já tava sentindo que Elis estava bem perto. E entre todos esses, nada melhor do que minha casa.

“Conforme as dores vinham, eu focava no pensamento de que eu tinha que passar por aquelas ondas para chegar até a minha filha. Eram ondas que doíam muito, mas que ao final me trariam um presente. Então aguentava firme.”

 
Bem… na próxima contração veio mais forte a vontade de “número 2” e eu quis ir ao banheiro tentar ver se saía alguma coisa. Sentei no vaso e percebi que, ao sentar, fiquei numa posição mais confortável para parir. Acho que até comentei na hora, aqueles banquinhos de parto devem ser bem úteis. Parece que quando sentei a bebê ficou numa posição melhor para sair. As contrações vinham e eu começava a gritar bem alto. Já sentia que ela ia sair em pouco tempo e avisei a Mari. Mari mediu minha dilatação, não me lembro se era 8 ou 9, mas tava muito, muito adiantado. Devia ser já umas 17:10. Me lembro que eu conversei com Elis e falei pra ela me ajudar. Queria acabar logo com aquilo.
 
Mari me lembrou que ali no vaso não seria um bom lugar para a bebê sair, por motivos óbvios rsrs… então eu escolhi o quarto da Elis para ficarmos. Pedi para o Jeff ficar atrás de mim, ele sentou em um banquinho, encostado na parede, e colocou meu colchonete da Yoga no chão (eu quis ficar no chão, denovo), e ali eu sentei entre uma contração e outra.

Foi então que veio mais uma contração e eu fiz bastante força. E então senti Elis saindo. A bolsa estourou e ela saiu de uma vez. Em uma contração só.
Nesta hora não sei o que acontecia racionalmente, só sei que Mari colocou ela no meu braço e eu comecei a chorar. Era muito sangue pelo chão. MUITO mesmo. Mas era a cena mais linda que eu poderia ter vivido na minha vida (to chorando muito agora). Minha filha ali, com o cabelinho cheio de líquido amniótico, no meu colo. Ela nem chorou. Ficou ali quietinha. Estava ótima, muito tranquila. Eu olhava pra ela e não acreditava. Senti um misto de alívio, felicidade, missão cumprida. sei lá. Até agora não sei o que senti. 

É muita coisa junta. Só sei que o quarto se encheu com um perfume muito forte, era o perfume dela, que ela ainda tem até hoje. Elis havia chego. Olhei para o Jeff e chorávamos juntos. Mari lembrou de olhar no relógio pra ver o horário do nascimento, pegou o celular no bolso e falou: “17:22”. Eu já não sentia mais nenhuma dor. Assim que a bebê saiu, minhas dores todas se foram. Eu havia passado pelas ondas e chegado até minha filha. Estávamos juntos, eu, Jeff e Elis, finalmente.

 

7185257847_790237fcef_b
“…foi então que veio mais uma contração e eu fiz bastante força. E então senti Elis saindo. A bolsa estourou e ela saiu de uma vez. Em uma contração só.”
 
 
 

5841293856_0bfa1c94bd_b
Cheia de Vérnix, esta camada protetora que fica no bebê quando ele nasce, que foi tirada só um dia depois, no banho. Não, não precisa de banho assim que nasce. É saudável para o bebê ficar com o Vérnix quando nasce. Ouviram, hospitais?! (quem me contou isso foi a Deborah.)
Elis ficou no meu colo pois o cordão ainda não fora cortado. Queríamos também esperar o cordão parar de pulsar para cortarmos. Detalhe muito doido: não tínhamos como cortar o cordão rs…
 
Fiquei sabendo depois que Jeff, durante meu TP, havia ligado para o meu pai vir, acho que ele pensou por um instante que daria tempo de ir à Casa de Parto. Então meu pai chegou. Eu ainda estava na posição de parir, esperando cortar o cordão. Meu pai olhou e não sabia se ria ou se chorava. Começou a chorar de emoção. Eu ali no chão com minha filha no colo, e o Jeff atrás de mim.

 

5841296434_b61b5e0a90_b
Esperando a placenta sair, Mari, nosso anjo, me acalmando sempre. Essas geminianas… ♥
Depois de tudo também me dei conta de que a Dé não tinha conseguido chegar a tempo, tinha muito trânsito, e a Mari ligou pra ela e disse: fazem 20 minutos que uma criança nasceu. Imagino como ela deve ter ficado rsrs… Depois me dei conta de que elas se falaram o tempo todo no meu trabalho de parto pelo telefone rsrs, na hora nem me liguei, só quando recobrei a consciência é que fui saber dos detalhes rs

Bem… meu pai, mais ou menos recobrado do susto, desceu na farmácia (que é logo bem baixo do prédio rs) e comprou o que a Mari pediu: fio dental e tesoura. rs. Ele contou que precisou contar na farmácia o que tava acontecendo para passar na fila, na frente, pois a fila estava grande. rs

 

E eu preocupada com a ansiedade dele… rs. Ele foi sensacional.
 
Ele voltou e então a Mari cortou o cordão, amarrou o fio dental primeiro e cortou com a tesoura (Mari e Jeff me corrijam se eu estiver errada, tem muito detalhe que ainda não me lembro rs). Só sei que assim que ela cortou, passei Elis para o Jeff segura-la. Ele a pegou no colo emocionado.

Essa tesoura está guardada e eu mostrarei a Elis quando ela crescer. Manchada de sangue do cordão umbilical dela.
(Tenho dois vídeos do momento logo após o parto, que mostram bem como foi intenso, como estávamos emocionados… não vou postar aqui, mas caso queira ver, pode mandar um email para valentematerna@gmail.com, colocando no assunto: “Vídeo parto da Elis”.)
 
Não me lembro se a placenta saiu antes ou depois de cortar o cordão, sei que precisei fazer uma pequena força para ela sair. É um negócio gosmento rsrs, mas muito bonito de pensar que foi o que nutriu minha filha por 9 meses. Guardamos em um pote tipo batedeira de bolo ahuahuahhau (que roots!! – como diz o Jeff – kkkkkkkkkkkkkkkkk), para levarmos para a Casa de Parto.

Resolvemos então que iríamos para a Casa de Parto para fazer os procedimentos de nascimento e tal, e assim fizemos. Mas antes disso, dei de mamar pela primeira vez à pequena. Sentei na cama, em cima do absorvente que a Dé trouxe, e pela primeira vez senti minha filha mamando, e o mais doido é que ela sabia exatamente o que fazer. Parecia que mamava ha muito tempo.
5840755849_9c35885b74_b
Elis mamando pela primeira vez ♥
A natureza é mesmo impressionante. Só sei disso. Como disse para as meninas depois, Dé e Mari, a força da natureza é muito forte. Quando o homem acha que manda em alguma coisa, vem ela e dá um baile. Quem pode com essa força?? Enquanto o homem achar que pode mandar na natureza, o mundo vai continuar sendo essa sujeira. Opinião minha. Porque a natureza é muito sábia. Vi isso também pela amamentação. Eu não tinha nada de leite antes de Elis nascer. Foi ela nascer, que meus seios se prepararam e o leite começou a sair MUITO! Não foi nem muito antes nem muito depois do parto, foi na hora certa. Quem manda na natureza, mesmo??
 
Depois que Elis mamou, eu levantei (ahh me lembrei que tentei me levantar antes mas fiquei um pouco tonta… as meninas me trouxeram um suco e eu tentei de novo e não me senti mal), e fui tomar um banho. Esqueci de contar que o vovô trocou Elis pela primeira vez, e ficou com ela enquanto eu tomava banho. Meu pai me contou que avisou minha mãe e que ela havia ficado muito surpresa, e ela foi nos encontrar direto na Casa de Parto, pois ela estava em uma reunião rsrs, imagina o susto que ela não deve ter levado quando saiu da reunião e ficou sabendo que a neta havia nascido rs – ah, esqueci de avisar que eu cheguei a ligar para minha mãe quando ainda não sentia as contrações, apenas as cólicas, mas achava que vararia a noite em trabalho de parto nesta hora. Aliás Mari e Dé também achavam que passariam a noite aqui em casa, vieram de mala e cuia, ninguém imaginava que em menos de 5 horas a pequena já haveria chego ao mundo. rs
 
Por falar em minha mãe, nunca vou me esquecer do abraço que nos demos quando cheguei na casa de parto. Estava emocionada demais. Assim que a vi, abracei-a e chorei muito. Como se falasse: ela está aqui, mãe. Ela chegou. Ela também chorou. Me disse palavras lindas que nunca mais vou esquecer.
 
O apoio dos meus pais em todos esses momentos foi também essencial para que acontecesse como aconteceu. Desde o início eles estiveram ao meu lado em nossa escolha. Pois não queríamos apenas um parto normal, queríamos um parto humanizado, o que seria possível apenas em casa ou na Casa de Parto, e nunca em um hospital. 

E eu sei que muitas mulheres passam por grandes problemas neste sentido, porque não basta você resolver que quer ter um parto humanizado, muitas vezes a mulher tem que convencer o marido e os pais de que este é o melhor caminho, e nem sempre isso é fácil. Conheci no Gama mulheres que sofrem muito por seus maridos não entenderem porque querem um parto natural. Por isso mesmo, muitas delas nem contam para a família, pois sabem que realmente elas podem não entender e tornar as coisas ainda mais difíceis. No meu caso eu sabia que meus pais entenderiam, mas nem todos são assim. Tenho consciência de que estava tudo ao meu favor.
 
Só o que tenho a dizer disso tudo, é que só consegui toda essa força porque estava ao lado de mulheres que me deram força. Coincidentemente, antes de ir ao Gama pela primeira vez, li um livro chamado “A Ciranda das Mulheres Sábias”, da Clarissa Pinkola Estes, indicado pela minha Mulher Sábia mãe, é um livro pequeno mas muito especial. Acho que toda mulher deveria ler este livro. É um resgate da força da mulher. Até em meu blog, antes de ler o livro, escrevi como me sentia grávida, e neste texto me comparei com uma árvore e sua força interior. E coincidentemente, dias depois, comecei a ler este livro, que fazia exatamente esta comparação. O livro fala de apoio e união de mulheres sábias, que torna outras mulheres sábias, e assim a força passa de uma para outra. Pois para mim, o que levo disso tudo são as mulheres que estiveram ao meu lado direta ou indiretamente até o dia do nascimento da minha filha. Meninas e casais do Gama, minha mãe, amigas, Débora e Mari. Dando força. Trocando experiências sábias.
5841314334_168df46189_z
Deborah e Mariane (re)conhecendo a pequena Elis, ainda no quarto onde ela nasceu. Reconhecendo, sim, porque eu tenho certeza que já se encontraram em outras vidas…
Quem teve a maior força de todas se chama Elis Robortella Santos Valente. Nascida em 13 de junho de 2011 às 17:22, com 3.365kg e 49cm, em parto domiciliar, em São Bernardo do Campo, SP, com a ajuda da querida parteira-anjo Mariane Menezes e do pai participando ativamente. Elis. A menina-mulher sábia. Que me ajudou a traze-la ao mundo e juntou suas forças comigo. Estávamos juntas desde o inicio. E eu só tive forças porque senti a força dela.
5840761171_c68dfbe2c6_z
Primeira foto, já na Casa de Parto.
Creio que daqui a algum tempo meu relato será diferente, talvez menos emotivo, talvez mais consciente. Mas precisava neste momento colocar os pensamentos no lugar. Na verdade, mais do que para outras mulheres, escrevi para mim mesma. Para que EU nunca me esqueça da força que tenho. E quero levar pra vida inteira.
 
Só um adendo, Jeff leu meu relato e disse que falta uma coisa muito importante rsrs
 
De contar que no final de tudo, depois de tomada banho e antes de ir para a Casa de Parto, bateu a fome, né? rs… pois então, meu pai havia comprado uma pizza… e eu depois de tomar meu banho, fui comer pizza de queijo!! uma hora após o parto… hahahhahahaha… ficamos juntos em volta da mesa eu, Jeff, a querida Dé e a Mari… Jeff me zoando pra variar, hahahah, fazendo caretas me imitando no momento da contração…. e todos rindo muito!!
5840744579_14cbfc842c
Dé chegou depois, mas esteve presente em energia o tempo todo, e por conta da força e sabedoria dessa mulher-sábia, eu me senti tranquila e muito conectada com a Elis todo o tempo. Telefone, e-mail, todos bombaram o dia todo. Gratidão, Dé, eternamente. ♥♥
5882594778_25f8bd5046_b
Jeff fazendo caretas, contando a historia na versão dele. Eu e Mari rindo muito! Elis já estava no colo do vovô, pra eu comer meu pedaço de pizza… rsrs
Com certeza o dia mais surreal da minha vida, de um parto que foi muito mais especial do que eu poderia sequer imaginar!

 

E viva Elis!!!!!!!!!!!!!!!!!
Flor de (E)Lis.

 

5840759653_6f4e1ff3e8
Foto na Casa de Parto de Sapopemba. Cheia de dobrinhas! E nasceu com as unhas um pouco grandes. Até hoje ainda acho que a conta de gestação estava errada, e ela nasceu exatamente de 40 semanas. Viva a vida!! ♥♥
LEIA AQUI O RELATO DE PARTO AOS OLHOS DA QUERIDA MARI, A PARTEIRA!
Anúncios

6 comentários sobre “Uma história de parto feliz: o nascimento da Elis! :)

  1. Feliz, Carol… de ouvir – sim, ouvir – você contando de algo que compartilhei mesmo de longe, lembrando dos mesmos fatos sob outro mirar, ou ouvir, porque presente na cena só bem mais tarde. A vida ainda não me reservou o direito de vivenciar presencialmente tudo isso: o parto de uma Mulher Sábia, do início ao fim. Todos foram momentos inesquecíveis para mim, muito presentes no concreto ainda, também. Mas de todos, o que mais me emociona é o encontro com a Suzana – a sua Mulher Sábia mãe, e minha Mulher Sábia amiga, de outros lugares-tempos – na porta da CP: eu via uma luz atrás de vocês e era um portal sob o qual estávamos, eu logo atrás de você, chorando ao ouvir tudo de lindo que ela te dizia, a pensar o quanto vocês eram especiais!Reverência, para sempre.

  2. PARABÉNS CAROL! Parabéns pela força, parabéns por ter conseguido tudo isso, parabéns pela princesinha LINDA, parabéns pelas belas palavras e por conseguir transmitir tudo isso tão bem! Você é um exemplo de pessoa, mulher e mãe! Estamos todas muito orgulhosas de você e vou com certeza falar para minha mãe ler esse lindo texto! Sei que ela vai se emocionar, assim como eu que até chorei! rs Um grande beijo de uma família que te admira e gosta muito de você! Nadja Stamato

  3. oi querida estou aqui para te convidar a participar do sorteio que estamos realizando lá no Mundinho do bebê de um livro autografado, espero que você goste deste convite. Um forte abraço e seja bem vinda ao Mundinho do bebê

  4. Amei o relato!! Parabens pela forca, garra e determinacao e tb parabens pela linda filha!!! pretendo fazer o parto domiciliar e meu marido me apoia e muito!!!! Somos muito fortes e a natureza nos fez para suportar esse momento tao magico!!

  5. Pingback: Relato de pós-parto | Parir-se ao Parir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s