Educação dos filhos x trabalho dos pais

 

Decidi voltar a ser autônoma depois que descobri que Lili estudaria meio período pela escola municipal. Até ano passado, aos 4 anos, ela ficava em uma creche municipal integral, e por isso consegui trabalhar em empresas nos últimos dois anos – enquanto eu trabalhava, ela estava na escola o dia inteiro.

Este ano eu decidi não coloca-la em uma escola particular (esse seria o único jeito de continuar trabalhando em um emprego fixo), porque não me identifico com a forma como as escolas particulares (não as daqui de Santos e SV) trabalham. Sempre me senti melhor sabendo que ela está em ensino público.

Voltei a ser autônoma e Lili passou a estudar meio período, continuando em uma escola municipal de Santos. Gostamos da escola, porém ha um grande problema que é muito foda: a escola desmarca bastante as aulas.

E isso inclusive é avisado antes e tal, mas mesmo assim. meio período já é bem pouco (das 7h as 11:30), e esta semana ela ficará sem aula quarta, quinta e sexta por conta de uma formação de professores que já estava marcada desde o inicio do ano e nós fomos informados, e que bom.

A unica questão é que, se vc não tem ajuda, como vai deixar o filho na escola pública? fica mesmo difícil, com tantos dias sem aula. E se o aluno falta mais do que tres dias, já tem uma baita pressão em cima de nós.

Agora nossa vida já foi adaptada para o caso de isso acontecer, então não seremos prejudicados. Mas fico pensando em quem não tem jeito, quem não pode recorrer a outras coisas. É obrigado a colocar em escola particular, e é um dos motivos de as escolas pagas estarem tão saturadas como estão hoje.

Precisamos MUITO repensar a educação por aqui. Muito.

Anúncios

Um comentário sobre “Educação dos filhos x trabalho dos pais

  1. A escola pública é mais complexa do que pressupõe o texto. É sempre difícil equilibrar demanda das famílias atendidas, dos alunos, da equipe gestora, docente e técnica e ainda cumprir metas e burocracias das redes.
    A formação docente é apontada como uma das principais causas da má qualidade da educação (ideia que também precisa ser colocada em questão, mas fica pra outra hora).
    As redes públicas tem bons programas de formação continuada para professores e, em geral, são oferecidos cursos fora do horário de trabalho. Ocorre que, com um salário baixo, professores trabalham em mais de uma escola, assim, como participar? Quando se tratam de assuntos mais sérios, a única alternativa é fazer formações no horário de trabalho. Não tem alternativa. Isso é importante para o trabalho docente e, logo, para o direito das crianças à educação.
    Não dá pra planejar ações de formação (ou qualquer outra ação) com impacto zero na rotina de todas as famílias. Eventualmente escolhas precisam ser feitas.
    Agora, se a coisa beira o absurdo, é sempre possível se informar sobre a quantidade de dias letivos mínimos e cobrar reposição nesses casos. O conselho de escola é sempre um bom lugar para colocar essas questões. Não se comporte como cliente. Responsabilize-se pela escola pública. É importante!
    Sorte na empreitada.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s